O que é RLP – Retail Liquidity Provider?

Inscreva-se em nossa Newsletter

Deixe seu email e tenha acesso antes aos nossos conteúdos.
O que é RLP - Retail Liquidity Provider

O que é RLP – Retail Liquidity Provider?

RLP, ou Retail Liquidity Provider, é uma nova modalidade de oferta que promete mudar a forma como os investidores operam na bolsa.

 

Os intermediadores de mercado (bancos e corretoras) disponibilizaram em agosto de 2019 a nova modalidade de oferta RLP (Retail Liquidity Provider).

Prometendo entregar melhores condições de preço aos clientes e mais liquidez ao mercado, o novo modelo chegou com força.

O RLP traz mudanças importantes para os processos de negociação na bolsa.

Entenda o que é RLP, como ele funciona e quais são as diferenças que ele traz.

 

O que é RLP? 

Retail Liquidity Provider (em português, provedor de liquidez para o varejo) é uma nova modalidade de oferta em que as corretoras se tornam contraparte nas negociações de compra e venda na bolsa.

Ele garante que o preço de execução de uma ordem a mercado será sempre igual ou superior ao book de ofertas. Entretanto, depende do aceite do cliente.

Por isso, esse modelo serve apenas para ordens agressoras (negociadas pelos melhores preços do livro).

Assim, as ordens a mercado são executadas com o melhor preço no novo sistema e de forma mais rápida, sem a necessidade de fracionar.

 

O que há de novo no RLP? 

A proposta do RLP é acabar com as dificuldades de liquidez no modelo de oferta de mercado.

Ou seja, ele visa solucionar os problemas de quem não consegue negociar ativos a um nível único de preço (o primeiro).

Isso se torna possível porque as contrapartes das ofertas são as próprias corretoras.

Elas se tornam as provedoras de liquidez para o mercado por meio da execução integral das ordens de seus clientes pessoa física.

É como se a corretora fosse mais um agente ofertante no mercado. Assim, o sistema garantirá sempre a melhor oferta.

 

Quais as regras do RLP?

Para que tenha um bom funcionamento, o RLP possui algumas regras:

  • Pode ser usado somente por pessoa física (varejo);
  • Não é obrigatório, sendo que a adesão junto à corretora parte do cliente;
  • Disponível inicialmente apenas para minicontratos de dólar e índice;
  • Exclusivo para ordens a mercado (que agridem as ofertas do book);
  • Preço de execução igual ou superior ao de mercado, oferecendo melhor preço no bid e no ask;
  • Limitado a 15% do volume de contratos negociados;
  • Se o negócio não for fechado, a oferta RLP é cancelada ao fim do dia;
  • Não é visível no book de ofertas, e somente aparece para o público após o fechamento do negócio.

 

Implantação na bolsa 

Apesar de estar chegando agora ao Brasil, o RLP já existe no exterior há muito tempo.

É o caso da bolsa de valores de New York (NYSE), por exemplo.

Inicialmente disponível apenas para minicontratos, a novidade pode, futuramente, chegar a outras negociações, como as de ações.

Serão analisados dados como spreads das negociações, indicadores de liquidez e manutenção de clientes no novo sistema.

Esses dados ajudarão a entender se, de fato, o RLP proporciona melhores condições de tempo e preço.

 

Quais as vantagens do RLP? 

Liquidez 

Espera-se que a liquidez do mercado cresça com a chegada do RLP.

Isto porque, tanto do lado da compra quanto da venda, as intermediárias serão as provedoras de liquidez às operações, negociando diretamente (e contra) seus próprios clientes.

 

Preços 

A intermediária (banco ou corretora) garantirá ao cliente a manutenção ou melhora do preço de execução e não haverá necessidade de fracionar a ordem a mercado por insuficiência de demanda.

Assim, a execução terá preço único, sem a necessidade do cálculo de preço médio, que dificultava, inclusive, o pagamento de imposto.

 

Taxa de corretagem 

Por meio do aceite ao novo sistema de ofertas, as corretoras têm anunciado corretagem zero para os clientes que aderirem.

Dessa forma, a redução no preço de corretagem torna-se uma grande vantagem do RLP.

 

Mercado 

O novo sistema pretende promover o fortalecimento do mercado devido à maior liquidez das negociações.

Inclusive, o RLP já é utilizado com sucesso em alguns dos maiores mercados do mundo.

 

Exemplo de utilização 

No modelo comum de negociação, pode acontecer de um cliente ter que fracionar sua negociação devido à falta de compradores ou vendedores pelo preço de mercado.

Caso a disponibilidade de mercado seja de 2 lotes e o cliente queira comprar 4, ele deverá comprar os 2 primeiros a preço de mercado e os outros a um preço maior.

Assim, deveria ser calculado o valor médio da negociação entre os dois preços.

Com o RLP, isso não é mais necessário, já que a intermediadora é a responsável pela liquidez ao mercado.

Dessa forma, o cliente poderia comprar os 4 lotes ao preço de mercado (o mais barato) sem a necessidade de fracionar sua operação.

Ou seja, o RLP garante o preço único e mais vantajoso.

 

Vale a pena operar com o RLP? 

Como o RLP ainda é um modelo novo de negociação no Brasil, ele deverá ser acompanhado com mais proximidade pelas autoridades.

Com o objetivo de entender os reais impactos no mercado, o RLP será acompanhado de perto pela CVM, pela B3 e pela BSM Supervisão de Mercados.

Então, para entender se vale a pena ou não, o investidor precisa estar atento a como esse modelo de negociação será aceito e entendido pelo mercado e pelas autoridades.

É bastante possível que surjam novos argumentos contra e a favor do RLP conforme o sistema vai sendo utilizado e o mercado vai se familiarizando com ele.

Também é importante lembrar que todas as novidades que chegam à bolsa para beneficiar o consumidor são extremamente bem-vindas.

Por fim, cada investidor deve analisar se o RLP é vantajoso ou não segundo seu próprio perfil de investidor.

Isso pode ser feito por meio da análise de objetivos, vantagens e desvantagens desse novo modelo de negociação.

O RLP tem objetivos positivos de injetar liquidez no mercado e facilitar a negociação de contratos. Então, as expectativas são altas.

Mas é sempre recomendado agir com prudência e entender bem o impacto do RLP no mercado.